Os marcos da fazenda Beija-Flor: as estratégias de afirmação de propriedade em meio à aplicação da Lei de Terras de 1850

Cristiano Luís Christillino

Resumo


Neste artigo, discutimos as estratégias dos fazendeiros em torno da afirmação de propriedade, em meio à aplicação da Lei de Terras de 1850. Esta análise foi desenvolvida a partir da investigação dos litígios de terras, envolvendo os Azambuja e os Ribeiro, no município de Taquari, ao longo das décadas de 1860 e 1870. Procuramos mostrar que o impacto da Lei de Terras sobre o processo de transição ao capitalismo, no Brasil, através da consolidação da propriedade privada, não atingiu o seu projeto inicial. Isso se deve, por um lado, ao fato de que a regularização da estrutura fundiária não ter alcançado a abrangência esperada e, por outro, a que, mesmo após a obtenção dos títulos das terras, as redes de relações sociais, nas quais estavam inseridos os fazendeiros, continuaram a ser o fator mais importante à afirmação de domínio de propriedade.

Palavras-chave: Brasil Império, família, Lei de Terras.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN: 2236-1782 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122
Projeto gráfico: Jully Rodrigues




SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo