Escravidão, família e compadrio: a comunidade escrava no processo de ilegalidade do tráfico internacional de escravos (1831-1850)

Paulo Roberto Staudt Moreira

Resumo


Considerando como marco cronológico o período entre 1831 e 1850, que demarcou o processo de proibição definitiva do tráfico internacional de escravos, o artigo aborda a comunidade escrava gestada na capital da província do Rio Grande de São Pedro. O objetivo é mesclar fontes empíricas diversas, descrevendo com a densidade possível a população negra residente neste lócus urbano. Documentos eclesiásticos, judiciários, policiais e administrativos serão abordados sob uma dupla perspectiva (quantitativa e qualitativa), visando pensar as redes sociais, familiares e étnico-raciais deste aglomerado populacional, compulsoriamente instalado no Brasil meridional.

Palavras-chave: escravidão, comunidade escrava, tráfico internacional de escravos.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN: 2236-1782 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122
Projeto gráfico: Jully Rodrigues




SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo