“Papagaio que está trocando as penas não fala": Autoritarismo e disputas políticas no Amazonas no contexto do Golpe de 1964

César Augusto Bubolz Queirós

Resumo


O golpe civil-militar que em 1964 derrubou o presidente João Melchior Goulart inaugurou um período de 21 anos de profunda ruptura da ordem constitucional e do estado de direito. Direitos políticos foram perseguidos, mandatos cassados, jornais censurados e ocupados. A tortura e a repressão se tornaram a tônica, mesmo que possamos encontrar importantes focos de resistência ao regime. O Congresso Nacional sofreu uma operação limpeza e alguns partidos – como o PTB – se tornaram alvo preferencial dessa perseguição. Nos estados, essa limpeza política seguiu uma trajetória semelhante à ocorrida no âmbito federal. Governadores foram depostos, deputados e vereadores tiveram seus mandatos cassados, o funcionalismo sofreu profundas represálias. Disputas políticas que foram cultivadas nos anos anteriores tomaram uma nova forma com o fortalecimento de setores conservadores. Nesse sentido, esse trabalho tem a intenção de analisar as disputas políticas e as rivalidades observadas no contexto da deflagração do golpe de 1964 no estado do Amazonas, enfatizando o processo de derrubada do governador Plínio Ramos Coelho (PTB) e a posse do governador indicado pelos militares: Arthur César Ferreira Reis.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN: 2236-1782 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122
Projeto gráfico: Jully Rodrigues




SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo