Os colégios jesuítas de Portugal e a Revolução Científica: Inácio Monteiro e a recepção das novas teorias da luz em Portugal

Marília de Azambuja Ribeiro, Arthur Feitosa de Bulhões

Resumo


Este artigo tem por escopo analisar a atividade dos professores jesuítas dos colégios da Assistência de Portugal no que concerne ao estudo da matemática aplicada, que abarcava disciplinas como a astronomia e a óptica geométrica. Busca-se discutir a tese comumente defendida de que teria havido um atraso na recepção das novas teorias advindas da Revolução Científica no contexto português. Sustentar-se-á que a apreciação dos textos manuscritos de autoria dos professores dos colégios da Assistência Portuguesa permite uma abordagem diferente da questão, identificando, por um lado, um relevante – e articulado com a problemática da Revolução Científica – debate sobre o estatuto das disciplinas matemáticas, que culminou em um entendimento muito próprio sobre o que e como deveria ser estudado; e, por outro, uma recepção crítica das novas teorias científicas, cuja discussão esteve articulada com a síntese do debate sobre o estatuto das matemáticas. Quanto a este último ponto, restringimos nosso elenco de fontes a uma controvérsia científica específica, a saber, a discussão sobre a natureza da luz.

Palavras-chave: Revolução Científica, jesuítas, colégios, matemática, óptica, luz.


Texto completo:

PDF




ISSN: 2236-1782 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122
Projeto gráfico: Jully Rodrigues
 
 
 
 
 
   
 
 
 
 
 
 
 
 

SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo