Surdos que se constroem surdos: O despontar de um movimento linguístico-cultural

Francisco Uelison da Silva, Ana Dorziat

Resumo


Este artigo é um recorte de estudo e teve como objetivo analisar a percepção de participantes surdos do Setembro Azul/2015, referente aos seus processos linguísticos-culturais, numa cidade do interior da Paraíba, Cajazeiras. Para realizar tal análise, elegemos como escopo teórico o campo dos Estudos Surdos, com inspiração nos Estudos Culturais, na procura de deslocar a discussão das minorias das margens para o centro, focando as diferenças como categoria fulcral. A metodologia se deu por meio de discussões em grupo-focal de nove participantes, após a ocorrência do Setembro Azul/2015. Os dados mostraram que os primeiros contatos com os sinais ocorreram no espaço da escola especial e que a participação no Setembro Azul/2015 despertou o desejo de as pessoas surdas construírem identidades surdas mais empoderadas, fato corroborado pelos planos de fundarem, na cidade, uma Associação de Surdos, retirando muitos/as surdos/as do isolamento em que viviam.


Texto completo:

PDF




ISSN 2177-6210 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional [atualizado em abril/2016]

Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP 93022-750, São Leopoldo, RS. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 R: 3219
Projeto gráfico: Jully Rodrigues
 
 
 
   


 
 
 
 
 
 
 
 
Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo