A fundamentação liberal do direito de propriedade segundo os pressupostos jusnaturalistas no pensamento de John Locke

Darlan Paulo Lorenzetti

Resumo


O presente estudo tem por finalidade explicitar e analisar os principais pontos referentes à fundamentação empreendida pelo filósofo inglês John Locke acerca do direito à propriedade. Para tanto recupera e seleciona fragmentos da obra Dois Tratado Sobre o governo, especialmente do capitulo V do Segundo Tratado entitulado Da propriedade. Em um primeiro momento a abordagem é centrada nos conceitos de estado de natureza e jusnaturalismo. Busca assim demonstrar como desde seu estágio de vivência mais primitivo, onde impera a plena liberdade e também a igualdade, a humanidade já encontra-se regida por príncipios de uma lei natural. Em seguida, trabalha com a noção de propriedade como fundamento da individualidade, explicitando como Locke atrela a esta categoria o status de direito natural e fundamental. Por fim, analisa o processo pelo qual se dá a obtenção dos bens comuns da natureza por meio da apropriação e a consequente particularização dos mesmos através do trabalho humano. O último ponto de análise versa a respeito da limitação do direito à propriedade e a negação de seu caráter absoluto.


Palavras-chave


Estado de Natureza. Lei Natural. Locke. Propriedade. Trabalho.

Referências


ASHCRAFT, R. Locke’s political philosophy. In: CHAPPELL, Vere (Org). The Cambridge Companion to Locke. Cambridge: Cambridge University, 1994.

BISSIÈRES, A. P. Política y economía en el pensamiento de John Locke. Pamplona: Ediciones Universidad de Navarra, S. A., 1997.

BOBBIO, N. Locke e o direito natural. Trad. Sérgio Bath. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1997.

CHAUÍ, M. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2000.

FRANÇA, V. R. Um estudo sobre a relação entre o Estado e a propriedade

privada a partir de John Locke. Revista de Informação Legislativa, Brasília, n. 148, p. 183-195 out./dez. 2000.

HOBBES, T. Leviatã, ou matéria, forma e poder de um Estado eclesiástico e civil. Trad. Rosina D’Angina. São Paulo: Martin Claret, 2012.

JAPIASSÚ, H.; MARCONDES, D. Dicionário básico de Filosofia. 3 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

LOCKE, J. Carta a respeito da tolerância. Trad. E. Jacy Monteiro. São Paulo: Instituição Brasileira de Difusão Cultural S. A., 1964.

_____. Dois tratado sobre o governo. Trad. Julio Fisher. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

MARCANTONIO, J. H. Direito e controle social na modernidade. Disponível em: https://books.google.com.br/books/about/DIREITO_E_CONTROLE_SOCIAL_NA_MODERNIDADE.html?id=J4VnDwAAQBAJ&printsec=frontcover&source=kp_read_button&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false. Acesso em: 12 nov. 2018.

MELLO, L. I. A. John Locke e o individualismo liberal. In: WEFFORT, Francisco C. Os clássicos da política. 14.ed. São Paulo : Ática, 2011.

NODARI, P. C. A emergência do individualismo moderno no pensamento de John Locke. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1999.

VÁRNAGY, T. O pensamento político de John Locke e o surgimento do liberalismo. In: CLACSO, Atilio A. De Hobbes a Marx Boron. São Paulo: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales; DCP-FFLCH, Departamento de Ciencias Politicas, Faculdade de Filosofia Letras e Ciencias Humanas, USP, Universidade de Sao Paulo, 2006.

WEBER, T. O direito de propriedade e justiça. Revista Estudos Institucionais, Rio de Janeiro, Vol. 2, n. 2, p. 799-817, 2016.

YOLTON, J. W. Dicionário Locke. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122