O ethos ativista no Facebook: uma análise discursiva das narrativas digitais de mulheres ambientalistas

Erika Cristina Dias Nogueira, Marco Túlio Pena Câmara

Resumo


No Brasil, país mais perigoso do mundo para o ativismo ambiental, mulheres lutam por espaço nos meios de comunicação para disseminarem seu discurso de defesa do meio ambiente. Consideradas até a década de 1980 como “segunda categoria”, as mulheres tiveram suas vozes abafadas e silenciadas pela sociedade patriarcal, em especial em ambientes políticos. Tal silenciamento reflete na carência do posicionamento feminino em lutas abrangentes e urgentes, como as ambientais. Hoje em dia, a luta feminina contra o extermínio da natureza é sustentada pelo uso do espaço virtual, principalmente do site de rede social Facebook, meio que se mostra favorável à expressão política dessas mulheres. O site tem proporcionado sobretudo certa autonomia para a disseminação do discurso, além de maior visibilidade e legitimação para a causa ambiental. Sob essas premissas, nossa pesquisa analisa a constituição de um ethos ativista pela investigação das narrativas digitais disseminadas pelas ambientalistas em seus perfis no Facebook. As ativistas escolhidas para a pesquisa são as brasileiras Ana e Mayan. Utilizamos como base teórica e metodológica a Análise do Discurso, bem como os estudos sobre ethos, ciberativismo e narratividade digital. Durante a pesquisa, identificamos determinadas estratégias narrativas utilizadas pelas ambientalistas no site, importantes para a constituição do ethos ativista no Facebook, assim como traços de posicionamento e autoidentificação feminista, reconhecendo a especificidade da luta feminina na causa ambiental, tornando-se, assim, um duplo ativismo, demarcado pelo ambientalismo feminista.

Palavras-chave: ethos, ambientalismo, discurso contra-hegemônico, narrativas digitais, Facebook.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.4013/cld.2018.162.03



SCImago Journal & Country Rank

ISSN 2177-6202