Crianças com implante coclear: implicações linguísticas

Sofia Lynce, Sofia Marques, João Paço, Ana Mineiro

Resumo


O presente estudo exploratório pretende investigar as capacidades linguísticas expressivas de crianças surdas com implante coclear por meio de amostras de linguagem espontânea. Para tal, será calculada a Extensão Média do Enunciado em palavras, e analisado o uso produtivo de morfemas gramaticais. Analisou-se o discurso espontâneo de três crianças portuguesas surdas com implante coclear e de três crianças normo-ouvintes, emparelhadas caso a caso, tendo em conta a idade cronológica, o género e a escolaridade parental. As crianças surdas com implante coclear produziram em média menos 2 palavras por enunciado que as crianças normo-ouvintes. Na morfologia, as crianças com implante coclear da amostra revelaram ainda não ser capazes de produzir plurais irregulares e de usar produtivamente os morfemas flexionais nos modos conjuntivo e imperativo. Em geral, o progresso gramatical parece ser mais lento para crianças surdas com implante coclear quando comparado ao dos seus pares ouvintes. Porém, uma implantação precoce, um maior período de tempo com o implante e uma implantação bilateral parecem trazer benefícios para a linguagem expressiva nesta população.

Palavras-chave: implantes cocleares, linguagem, gramática.


Texto completo: PDF