O mundo plural: a educação como dissonância e tradução

Paulo Castro Seixas

Resumo


Neste ensaio propõe-se compreender a escola como um ‘entre-lugares’ de três mundos educativos: o mundo único, o mundo dual e o mundo plural. À escola cabe, cada vez mais, o desafio de gerir um mundo plural potenciado ao longo do século XX pela escola de massas, pela juvenilização do mundo, pela descolonização das mentes e pela auto-mediação do mundo. Propõe-se que a escola deve gerir as dissociações, traduzi-las em dissonâncias e, depois, em compromissos. Considera-se que a dissonância é o social em construção: a convivialidade da estranheza dissonante e em tradução frágil o próprio destino humano. Propõe-se, por fim, metodologias educativas para esse desafio.

Palavras-chave: educação, dissonância, tradução.


Texto completo:

PDF




SCImago Journal & Country Rank

ISSN 2177-6202