Veja o fim do arco-íris – uma análise do artigo “A geração tolerância” e a construção de identidades homossexuais

Gersiney Pablo Santos, Viviane de Melo Resende

Resumo


A representação discursiva de eventos e práticas é uma das atividades mais frequentes em nossa experiência humana. Seja em atividades rotineiras, seja em atividades especializadas, a representação faz parte das diversas práticas sociais em que nos engajamos, exercendo influência sobre comportamentos e visões de mundo. Tomando por referencial teórico-prático a Análise de Discurso Crítica (ADC) (Fairclough, 2003; Chouliaraki e Fairclough, 1999), associada aos estudos de ideologia e de mídia de Thompson (1998, p. 2002), e à teoria de identidade de Hall (2001), neste trabalho, apresentamos uma análise dos modos pelos quais a revista Veja – a revista semanal de maior circulação no Brasil – representa e identifica jovens homossexuais brasileiros/as em uma matéria de capa publicada em maio de 2010. Na reportagem, intitulada “A geração tolerância”, a revista propõe-se exibir um “retrato” da geração de jovens homossexuais neste início do século XXI. Explorando categorias analíticas como intertextualidade, polifonia, pressuposição, avaliação e modalidade (Resende e Ramalho, 2009), desvelamos estruturas linguísticas que estabelecem oposições entre passado e presente, em que o passado é associado a estratégias de criação identitária de um grupo que se mobiliza em nome de “uma causa”, enquanto o presente é associado à dissolução de identidades gays e à desmobilização dessa mesma causa. Assim, nossa análise nos permitiu perceber que, embora dando visibilidade ao assunto, a revista apresenta visões sexistas que, de modo velado, legitimam estereótipos combatidos por movimentos sociais.

Palavras-chave: discurso, representação, análise de discurso crítica, mídia, homossexualidade.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.4013/cld.2012.102.03



SCImago Journal & Country Rank

ISSN 2177-6202