Famílias de gêneros e novas formas comunicativas para a ciência

Guiomar Elena Ciapuscio

Resumo


Transformações culturais, sociais e econômicas e, em especial, a globalização de trocas comunicativas facilitadas pelas Tecnologias de Comunicação e Informação (TCIs) sem dúvida fizeram com que os gêneros usados pelas comunidades discursivas se engajassem em práticas comunicativas mais complexas e diversificadas, com o consequente impacto sobre o campo da pesquisa linguística sobre gêneros. Neste trabalho eu levanto questões que dizem respeito à forma como as mudanças influenciaram a pesquisa linguística e como as relações de gêneros podem ser capturadas e sistematizadas. Eu vou argumentar que gêneros podem ser mais bem compreendidos em termos de “famílias” (Bergmann e Luckmann, 1995), orientadas para a solução de tarefas sociais e individuais. Eu proponho que gêneros particulares dentro de uma família desempenham papéis específicos nas tarefas e subtarefas de um campo determinado. Para esta proposta, eu faço uma distinção entre duas famílias bem diferenciadas em comunicação da ciência: (a) os gêneros de pesquisa (produção e validação de conhecimento) e (b) os gêneros para a comunicação da ciência para a sociedade (popularização do conhecimento).

Palavras-chave: Linguística de Gênero, famílias de gêneros, comunicação da ciência, gêneros de pesquisa, comunicação pública da ciência.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.4013/4878



SCImago Journal & Country Rank

ISSN 2177-6202