COMPACIDADE E DISPERSÃO URBANA A PARTIR DAS ESTRUTURAS REGIONAIS

Rafael Rossetto Ribeiro, Gislaine Elizete Beloto

Resumo


O presente artigo trata da relação entre as estruturas regionais e a forma urbana por meio de um estudo comparativo entre as manchas urbanas de Londrina e Maringá, norte do estado do Paraná, Brasil, naquilo que se refere à forma de tais manchas sobre o território ao longo de uma linha temporal. O modelo de expansão e organização do território formado por ambas as cidades é demonstrado por duas variáveis: (a) forma compacta e (b) forma fragmentada da mancha urbana. Outra variável, (c) forma dispersa, aplica-se somente à mancha de Londrina. Diante da comparação entre essas manchas urbanas, similaridades e disparidades compõem os três pontos em destaque. O primeiro diz respeito ao quão fragmentada e dispersa é a forma de uma mancha diante da outra; o segundo refere-se ao ciclo da expansão urbana, que oscila entre a forma compacta e a fragmentada, e que, no caso de Londrina, deve-se incluir a forma dispersa; e o terceiro e mais importante ponto avalia o quanto as estruturas regionais, tanto antrópicas como naturais, corroboram com a forma da mancha urbana.

Palavras-chave: Forma urbana, modelo de expansão urbana, Londrina, Maringá.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.4013/arq.2020.161.04



ISSN: 1808-5741 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional [atualizado em abril/2016]

Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP 93022-750, São Leopoldo, RS. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122

Os croquis utilizados no banner (da esquerda para a direta): Pavilhão do Brasil na Expo 70 (Osaka, Japão) e Museu Brasileiro da Escultura (MuBE) do arquiteto Paulo Mendes da Rocha©.

Projeto gráfico: Jully Rodrigues
 
 
 
 
  
 
 
 
 
 
 
 
 
 

SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo