Cidade de microutopia

Javier Pérez-Herreras

Resumo


As plantas de Londres do século XVII mostram uma cidade de pedra e de dimensão atemporal. Uma cidade que une seu destino a uma utopia que transcende o indivíduo que a habita. O tempo passa quase sem suceder. Talvez porque seu destino, de suas utopias, transcende o próprio tempo. A esta cidade segue uma nova cidade, a cidade das máquinas e do movimento. Uma cidade que reúne indivíduos na permanente mudança de uma itinerância. Surge, então, a noção de tempo no habitar que, unido ao da distância, deriva da ideia da velocidade. Esta cidade do movimento e de um tempo cada vez mais acelerado está se transformando em uma cidade de lugares em permanente transição: lugares pop-up. Lugares virtuais que unimos de forma pessoal para alcançar nossa cidade pessoal. Lugares que habitamos de forma já quase desarticulada e que nos transladam a outros lugares, a outras pátrias, a outros tempos, onde conseguimos cumprir nossos pequenos sonhos. E, eventualmente, nossas microutopias.

Palavras-chave: Éden, pop-up, high-low tech city, microutopia.


Texto completo: PDF (English)



ISSN: 1808-5741 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional [atualizado em abril/2016]

Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP 93022-750, São Leopoldo, RS. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122

Os croquis utilizados no banner (da esquerda para a direta): Pavilhão do Brasil na Expo 70 (Osaka, Japão) e Museu Brasileiro da Escultura (MuBE) do arquiteto Paulo Mendes da Rocha©.

Projeto gráfico: Jully Rodrigues



SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo