Atribuição investigatória do Ministério Público brasileiro frente às disposições constitucionais: a posição do Supremo Tribunal Federal

Nestor Eduardo Araruna Santiago, Anarda Pinheiro Araújo

Resumo


Este artigo aborda a possibilidade de investigação criminal direta pelo Ministério Público. Por meio de estudos bibliográficos, apresenta os fundamentos constitucionais, bem como os limites afeitos a essa atribuição ministerial de forma exploratória e descritiva. Trata também da não exclusividade da polícia na condução de investigações criminais, pois, segundo a própria Constituição Federal e o Código de Processo Penal, outros agentes administrativos podem realizá-las. Dentre estes, destaca-se o Ministério Público brasileiro, quando o crime for sujeito a uma ação penal pública. Por último, observam-se os posicionamentos do Supremo Tribunal Federal. Decerto que a posição majoritária jurisprudencial se mantém firme acerca da constitucionalidade da investigação criminal direta pelo parquet, contudo outros posicionamentos também são encontrados, e isso dificulta o seu tratamento jurídico, prejudicando tanto o acusado como toda a sociedade. Conclui-se que é perfeitamente possível e compatível com sua finalidade constitucional a atuação do Ministério Público brasileiro na investigação criminal de forma direta de modo a preservar os direitos humanos fundamentais.

Palavras-chave: Investigação criminal; Ministério Público, Supremo Tribunal Federal.

 


Texto completo: PDF



ISSN: 2175-2168 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122

Projeto gráfico: Jully Rodrigues



SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo